O PODER DA COMUNHÃO

Salmo 133

Nesse estudo, duas palavras são importantes para nosso aprendizado: amor e comunhão. Ambas estão relacionadas e são essenciais em toda a nossa vida. Para iniciarmos, comente a frase: “Nenhuma pessoa conseguirá viver sozinha sem se empobrecer.”. (William Barclay)

  1. A COMUNHÃO PRODUZ ALEGRIA – (v.1)

O povo de Deus foi libertado do cativeiro babilônico, e o Salmo 133 é a expressão de alegria vivenciada pela comunhão e amor! Um só povo, vivendo sob uma única visão, torna-se um grupo coeso e inquebrável!

Como você imagina que seria se todas as denominações se unissem em torno de um único objetivo? O que você acha que aconteceria com a cidade de Londrina no nível espiritual, político e social?

2) INTENSA COMUNHÃO – (v.2)

O texto menciona o óleo precioso derramado sobre a cabeça e a barba de Arão, demonstrando que ele foi capacitado para ajudar o povo a experimentar comunhão entre si e com Deus. Quando há comunhão, as fofocas, as críticas e as divisões são superadas, pois estamos mais focados no que nos une do que nas nossas diferenças. Quais as implicações negativas da perda da comunhão com Deus e com os irmãos e irmãs?

3) A UNÇÃO QUE FORTALECE A COMUNHÃO – (v.3)

Hermom é um monte de três mil metros de altura. No inverno, seu topo é congelado, e durante o verão, é descongelado pelo calor, e a água fresca começa a descer. A água que desce faz do vale de Hermom um local produtivo. O orvalho representa a unção que vem de Deus com o objetivo de fortalecer nossa comunhão. Em relação ao orvalho, disse Fuchsia Pickett no livro O poderoso Espírito Santo: “Só o Espírito Santo pode unir os homens no corpo de Cristo. A unidade é como orvalho do céu, cheia de prazer e refrigério. É na unidade que o Senhor comanda a bênção, a vida eterna no Espírito.” Pensando nisso, compartilhe: Por que não podemos deixar de estar presentes nos cultos e nas células?

CONCLUSÃO

Uma das tarefas de Cristo foi morrer na cruz, para trazer ao nosso coração a experiência do evangelho, baseada em amor e em comunhão. Que dessa forma, juntos como igreja, possamos impactar a nossa cidade!

A IMPORTÂNCIA DAS METAS

Sonhar é preciso! Sem sonhos começamos a morrer ou vivemos para cumprir os sonhos de outrem. No entanto, nas células, muitos sonham alto, mas não têm a mínima noção de como chegar ao sonho proposto no coração. Deus sonhou em resgatar a humanidade e elaborou um plano para concretizar esse sonho maravilhoso. Com certeza, Deus pensou na maravilhosa benção de voltar a ter o ser humano restaurado ao seu estado original, uma vez que o pecado tornou o homem um ser maldoso e distante do seu Criador. Mas Ele teve que idealizar uma estratégia para alcançar esse objetivo. A essa estratégia, que é um conjunto de ações e atitudes práticas e sequenciais para alcançar o objetivo, chamamos de metas. O ponto-chave para a realização de um ministério de sucesso passa necessariamente pela obtenção de uma visão clara e divina daquilo que queremos, pela encarnação dessa visão, tornando-a missão de vida, e pelo estabelecimento de metas para aperfeiçoar essa visão e não se perder na caminhada ministerial.

O líder da célula precisa trabalhar dentro de uma visão clara. Todo líder precisa saber que a visão é o fundamento de toda tarefa em liderança. A visão exige ação e dedicação e a isso chamamos de missão. Contudo, sua visão de ministério não será realizada a não ser por meio de um ousado conjunto de metas. Em Gênesis, nos deparamos com o chamado de Deus para Noé livrar a raça humana do extermínio, nesse episódio Deus revelou a Noé o seu plano de preservá-lo juntamente com sua família e, ao mesmo tempo, destruir a raça humana por meio do dilúvio. Veja que Deus deu a Noé a visão que se tornou a missão de sua vida, mas a realização dessa missão foi levada a cabo por meio de um plano de metas bem rígido e sequencial estabelecido pelo próprio Deus (Gn 6: 13-22).

Outro texto que ilustra claramente esse assunto é o de 1Sm 15:1-35. Nessa passagem, vemos Deus ordenar a Saul, rei de Israel, por meio de Samuel, a destruição dos amalequitas. Veja a ordem: “Vai, pois, agora, e fere a Amaleque, e destrói totalmente tudo o que tiver, e não lhe perdoes; porém matarás desde o homem até a mulher, desde os meninos até aos de peito, desde os bois até as ovelhas e desde os camelos até aos jumentos”. Infelizmente Saul, ao invés de cumprir as metas de acordo com a visão que Deus lhe dera, fez do seu próprio jeito.

No primeiro texto vimos que Noé cumpriu as metas estabelecidas por Deus: construiu a arca, colocou os animais dentro dela literalmente como Deus lhe ordenara e teve seu nome eternizado como um líder fiel e vitorioso. Já no segundo exemplo, Saul não levou muito a sério a realização de sua tarefa ministerial de acordo com um plano de metas baseado na visão que Deus lhe dera, que era destruir completamente os amalequitas, e isso lhe custou o reinado e o seu nome passou para a história como um dos líderes bíblicos derrotados por infidelidade e incapacidade de dar conta da responsabilidade que recebera de Deus. Veja a importância das metas no ministério cristão.

  1. VANTAGEM DE SE TER METAS:

Uma pesquisa entre igrejas em células demonstrou ser muito mais provável para o líder que tem uma data estabelecida multiplicar sua célula e alcançar seu objetivo do que aquele que não tem meta. Crescimento: As metas nos desafiam! Ninguém sobrevive e se desenvolve sem desafios novos e interessantes. Desde a infância somos movidos por desafios: aprender a falar, andar, escrever etc. Na vida temos de estabelecer metas para alcançarmos nossos sonhos, caso contrário nossos sonhos acabarão se tornando pesadelos, uma vez que os sonhos não se realizam sem trabalho e esforço. Todo esforço e trabalho sem etapas mensuráveis não produzem os efeitos desejáveis. As metas podem produzir uma atmosfera propícia para suportarmos a espera de uma conquista.

  • SEM DESAFIO NÃO HÁ CRESCIMENTO

As metas dão objetividade ao ministério: Um líder não pode perder tempo com coisas supérfluas, nem tampouco perder tempo realizando aquilo que, embora seja bom, não faça parte da sua visão de ministério. Há muita coisa boa desenvolvida no mundo cristão, mas nem todas têm relação com a visão ministerial em questão. A visão correta não é fazer tudo aquilo que é bom, mas aquilo que Deus preparou para o ministério. Nesse caso as metas nos ajudam muito porque elas nos tiram do ativismo e nos colocam nos trilhos da visão de Deus para nós.

Jesus realizou seu ministério baseado numa visão clara, revelada nos profetas. Encarnou sua missão de forma radical, mas com metas objetivas. Em Mc 1:38 Jesus, que já havia curado muita gente no dia anterior, se recusa a ter sua agenda imposta pelo povo ou pelas circunstâncias daquele momento. A multidão queria que Jesus continuasse por ali para curar os demais enfermos daquelas cercanias que estava vindo até ele. Mas ele disse: “Vamos às aldeias vizinhas, para que ali eu também pregue, porque para isso vim.” Isso deixa claro que o ministério cristão precisa de objetividade e não somente de ser preenchido com muitas atividades, por melhor ou mais interessantes que sejam.

Certamente é da vontade de Deus que as células se multipliquem porque quanto maior o número de células, maior a quantidade de vidas alcançadas. Estabelecer metas tem o propósito de concentrar esforços para que a vontade de Deus seja feita. A nossa atitude deve ser, em vez de rotular as metas como algo negativo à vontade de Deus, devemos aceitá-la. Agrada a Deus ver que nos propomos a fazer sua vontade.

  • PRINCÍPIOS PARA O ESTABELECIMENTO DE METAS:

M: mensurável – o que pode ser medido, palpável, possível etc.; Se você não puder medir o resultado, como saberá se conseguiu ou não atingir seu alvo? “Ter o máximo de membros nas células possíveis” não é uma meta, afinal, quanto representa o máximo? Se você considerar isso como meta, qualquer valor que atingir vai achar que é o máximo.

E: específica – destinado exclusivamente para um caso, situação ou pessoa; Mais uma vez, deixar o mais claro possível aonde se quer chegar ajuda a descobrir o caminho e concentrar nossos esforços. Dizer “vou ter um computador” é bem menos potente do que dizer “terei um Pentium lll, de 500mtz e monitor de 17 polegadas”. Cuidado, se definir uma meta como primeiro exemplo poderá receber um 286…

T: temporal – por um tempo determinado; Outra arma poderosa no estabelecimento de metas é o prazo para atingi-las. Não estabelecer um prazo não ajuda a organizar e geralmente se leva mais tempo do que o necessário para se atingir a meta. Afinal, se não tivermos prazo, teremos a vida toda para tentarmos…

A: atingível – chegar (justamente) a, compreender, alcançar, acertar em…; A meta precisa ser algo tangível. Estabelecer que visitarei marte até o meu próximo aniversário certamente não me motivará a buscar as formas de realizar tal sonho. Por outro lado, estabelecer uma meta que não seja desafiante também não mobiliza esforços para atingi-la. A meta deve ter um significado pessoal. Algo que realmente faça com que você levante da cama de manhã com “pique” para trilhar mais uma etapa do caminho que o aproxima de sua realização. Deve ser criativa, desafiadora, porém alcançável. As metas devem ser estabelecidas de acordo com as condições de cada igreja. “Não há ventos favoráveis para quem não sabe aonde quer chegar”. “Quem não sabe ande ir não sabe para onde vai”.

  • PERIGOS QUE DEVEM SER EVITADOS AO FIXAR METAS:
  • Idealismo – é fácil cair no extremismo sob o pretexto da fé em Deus. Se as metas estabelecidas são exageradas, as pessoas ficam desanimadas e perdem o entusiasmo no evangelismo, por isso as metas devem ser razoáveis e alcançáveis.
  • Temor ­- Cada meta é um desafio pelo seu tempo específico, se é alcançável ou não, por isso muitas pessoas temem o estabelecimento de metas. Com fé em Deus pode-se alcançar as metas, afinal, para ele tudo é possível. Podemos trabalhar confiando.
  • Competição desleal- O propósito não é criar contenda nem competições entre irmãos. O verdadeiro propósito é encontrar inspiração no triunfo do outro. Se outros alcançam suas metas, nós também podemos alcançá-las.
  • COMO ALCANÇAR AS METAS:

Passo 1. Assuma as metas estabelecidas para sua célula e comece a planejar como irá alcançá-las. Isso indicará quanto você deve avançar cada semana para que sua meta se torne uma realidade. 

Passo 2. Destine responsabilidades específicas a cada um dos membros da célula e especifique o tempo para cumpri-las.

Cada membro da célula deve ter uma meta pessoal. É a maneira de envolver todas as pessoas no esforço para alcançá-las.

Passo 3. Verifique semanalmente o estado de sua célula.

Certifique-se de que os membros de sua célula ou setor estejam trabalhando nas tarefas que lhes são dadas. Certifique-se semanalmente do real estado de sua célula.

Passo 4. Incentive os membros de sua célula a trazer novos convidados.

Uma pesquisa mostra que os líderes que incentivam seus membros a trazer convidados dobram a capacidade de multiplicação da sua célula, ao contrário do líder que menciona o tema só uma vez, de vez em quando ou nunca.

Passo 5. Ore diariamente, colocando diante de Deus as metas e clamando para que todas as coisas saiam bem a fim de alcançá-las. Incentive os membros de sua célula a se unirem em oração.

  • PAPEL DO LÍDER EM RELAÇÃO ÀS METAS:
  • Faça sempre menção às metas.
  • Dirija a célula em oração pelo alcance das metas.
  • Mencione as metas tantas vezes quantas forem necessárias para que cada membro se aproprie da visão.
  • Coloque o empenho necessário para alcançá-las.
  • Distribua as metas no tempo que tiverem.

Para refletir

  1. Você sempre soube das metas de sua célula e da igreja como um todo?
  2. Você menciona semanalmente aos irmãos as metas pelas quais se está batalhando?
  3. Você delega a responsabilidade sobre algumas ações da célula, de modo a mover os membros ao envolvimento com o grupo?
  4. Você tem orado pelo cumprimento das metas da sua célula?

ELEMENTOS DA BOA LIDERANÇA

  1. CARÁTER DO LÍDER.
  1. SABEDORIA

Uma boa liderança não requer necessariamente conhecimentos acadêmicos. Devemos começar sendo autênticos, expressando nossas necessidades e mostrando-nos como realmente somos. Ser sábio, algumas vezes, é não considerar as ofensas, comentários ou irritações de outras pessoas. A pessoa sábia não procura vingar-se, procura o melhor em quem o critica, a fim de resgatar o perdido.

  • RETIDÃO

É a qualidade de ser imparcial e reto. Quem exerce a função de discipulador ou líder nunca deve emitir um julgamento sem antes analisar os dois lados da questão. Quem é sábio não pretende ser uma pessoa melhor que outra. A pessoa que lidera com retidão é aquela que está interessada em resolver as dificuldades que se apresentam. “Não fazendo tempestade em copo d’água.” Uma maneira prática de mostrar retidão é sendo pontual. Aquele que exige, mas não é pontual, não cumpre com sua responsabilidade.

  •  PACIÊNCIA

Equivale a demorar a aborrecer-se e saber manter a serenidade quando as dificuldades se apresentam.

  • AMOR

É a virtude que gera maior responsabilidade no líder. O amor não busca receber, mas dar sem esperar nada em troca. Quem lidera com amor, faz isso dando a si mesmo, ainda que não ganhe nada em troca é capaz de ver a necessidade das pessoas e buscar uma maneira de ajudar. O amor conduz a uma liderança melhor. Não usa a autoridade que lhe foi delegada para tirar proveito, mas para servir os outros, e, como consequência, em pouco tempo ganhará o respeito de todos. A disciplina eficaz é aquela que se alcança por meio do amor.

  • ESPIRITUALIDADE

Toda liderança precisa, em primeiro lugar, ser “cheia do Espírito Santo”, pois só ele poderá dar todas as diretrizes para uma célula vitoriosa. É importante lembrar que as pessoas só seguirão aqueles que são verdadeiramente espirituais. Uma pessoa espiritual inspira a disciplina necessária para realizar o trabalho sem complicações e trabalha todas as pessoas com responsabilidade. “Não repreenda asperamente o homem idoso, mas exorte-o como se ele fosse seu pai, trate os jovens como a irmão” 1 Tm. 5:1

  • MATURIDADE

É o nível de crescimento espiritual alcançado por uma pessoa em sua semelhança a Jesus. Uma pessoa pode ter dons espirituais, pode ser ativa e servir, mas não ter maturidade. As pessoas buscam a quem seguir e seguirão com uma disciplina maior a quem mostrar uma maturidade verdadeira. Quem é a pessoa madura? É aquela que busca viver uma vida equilibrada em todas as áreas de sua vida, fundamentada nos princípios da Palavra de Deus, influenciando outros por meio do seu testemunho.

  Para refletir: De que maneira você estabelece sua autoridade?
  • ERROS QUE DEVEMOS EVITAR NO SISTEMA DE CÉLULA

Todas as pessoas cometem erros, porém alguns trazem sérias consequências. O propósito é ajudar a superar os obstáculos que possam paralisar o sistema celular. Uma coisa é saber que errar é humano; e outra bem diferente é acomodar-nos ao erro.

  1. Fazer todo o trabalho na célula

O líder que faz todo o trabalho na célula ficará cansado e não treinará novos membros que poderiam ser líderes. Aprenda a delegar e ensine adequadamente. Delegue aos membros das células as tarefas mais variadas como preparar o louvor, o lanche, telefonar, visitar, convidar, ministrar o estudo, orar etc.

  • Não participar das reuniões do acompanhamento ministerial nem acatar orientações dadas pelo mentor ou pastor

Liderar célula requer comprometimento e responsabilidade, por isso é inadmissível que um líder deixe de participar das reuniões do acompanhamento ministerial, pois nelas é que será orientado com relação às diretrizes e à caminhada da Igreja.

  • Afastar-se ou se recusar-se a seguir as orientações dadas pela liderança

Uma célula deformada não se desenvolve, porém células saudáveis multiplicam-se.

Por isso, reveja continuamente os princípios do sistema de célula. Não invente coisas que, em sua opinião, podem funcionar. Siga sempre as orientações dadas pelo seu mentor e pastor.

  • Aconselhar inadequadamente

Saiba reconhecer seus limites para aconselhar. Seja humilde e reconheça seus limites, não tenha medo, as pessoas irão respeitá-lo por ser sincero. Se o problema for muito difícil de resolver, leve-o ao mentor e depois ao seu pastor de rede, em última instância ao pastor titular.

  • Deixar de desafiar e preparar novos líderes

Um líder que não se preocupa em delegar tarefas, em dar oportunidade para outros, em mentorear novos líderes, dificilmente multiplicará sua célula.

Portanto, é muito importante procurar identificar líderes em potencial entre os membros da célula e desafiá-los a crescer, enviando-os ao CCM para que sejam capacitados. Um bom líder acompanha bem de perto o seu liderado. Na ocasião oportuna, o líder deverá encorajá-lo a assumir uma nova célula.

  • Impor metas exageradas

As metas estabelecidas para a célula devem ser razoáveis para que não tragam desânimo e sim estímulo e desafio para toda a célula.

Não imponha suas próprias metas, apenas implemente as que são estabelecidas pela Igreja, de forma a envolver todos os membros da célula no seu cumprimento. As pessoas reagem melhor quando são motivadas do que quando são obrigadas a acatar algo que está acima de suas forças.

  • Não direcionar os membros da célula para a igreja

Se os membros participam somente da célula, perdem sua identificação, e, além de ficarem isolados, tornam-se vulneráveis – os lobos atacam as ovelhas que se afastam do rebanho. Para evitar isso, esforce-se para trazê-los à igreja. Organize uma forma de despertar neles o interesse de participar da grande celebração e não apenas da reunião semanal da célula. Na igreja ele receberá um alimento mais sólido que na célula.

  • Aproveitar a intimidade que a célula proporciona para alcançar objetivos pessoais

Um líder que se envolve pecaminosamente com algum membro da célula, ou que usa a célula para ganhar qualquer tipo de vantagem, causa um mal terrível. Se as pessoas notarem um interesse mesquinho, ficarão desanimadas e não voltarão mais.

  1.  Mentir ou omitir dados para aparentar que está tudo bem

Mentir independe que seja ajudado. Isso proporciona uma falsa base de dados, o que prejudica as projeções feitas pela igreja. Ao dizer a verdade é possível saber em que o líder pode ser ajudado. “Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao próximo, pois todos somos membros de um mesmo corpo” Ef. 4:25

  • COMO PROTEGER SUA CÉLULA?

É comum acontecerem situações difíceis, que trazem constrangimentos nas células, e nem sempre os líderes sabem como lidar com elas. Em primeiro lugar, o líder precisa ter bem claro tanto a sua importância como líder como a importância do grupo e agir no sentido de proteger a célula. Ele precisa ver as dificuldades de uma perspectiva correta, buscar ajuda quando necessário e orar sem cessar. Existem algumas pessoas com personalidade destrutiva ou disfuncional que participam das células, muitas vezes até com o intuito de causar divisão. Essas pessoas precisam ser identificadas e encaminhadas para aconselhamento ou ajuda profissional, para que a célula permaneça saudável. Eis alguns exemplos:

  1. Membro Pecaminoso
  2. Impureza – pecados sexuais como prostituição, adultério, linguagem obscena, gestos obscenos etc.;
  3. Avareza – atitude exacerbada em relação ao dinheiro;
  4. Idolatria e ocultismo – feitiçaria, ídolos, todos os tipos de adivinhação, prognósticos, consulta a mortos etc.;
  5. Maledicência – falso testemunho, calúnia, difamação, infâmia, mexerico, fofoca etc.;
  6. Bebedice – o que embriaga com bebidas alcoólicas, drogas, remédios ou qualquer outro tipo de droga;
  7. Furto – ladrão, assaltante, sonegador, chantagista, extorsão etc.

Como lidar? – Primeiro, deverá ser admoestado pelo irmão que presenciou os fatos. Se o faltoso vier a abandonar o erro, este deverá ser encoberto. Se voltar a pecar, deverá ser admoestado pelo líder em companhia da testemunha do pecado, e, caso ele não mude de conduta, o líder deve entregar o caso ao mentor, evitando assim contagiar os demais.

  • Membro que se acha mais espiritual do que os outros

Essa pessoa irá criticar o líder para mostrar que é mais capacitada e experiente. Vai tentar impressionar e quase sempre polemizará a reunião, com a intenção de enfraquecer o líder e dividir o grupo.

Como lidar? O líder não deve encorajá-lo a falar de suas experiências, evitando que monopolize a reunião, mas deve mostrar-lhe os objetivos do grupo e como ele pode ser útil.

  • Membros de outras denominações

Membros de outras igrejas ou pessoas que são discipulados por outros líderes e frequentam as células normalmente são pessoas que gostam de se referir aos princípios de outras denominações. Gostam também de fazer comparações entre os dois lugares, gerando polêmica e questionamentos que podem trazer confusão e até mesmo levar a célula à divisão.

Como lidar? Não permita que esse tipo de pessoa influencie ninguém do grupo. Encoraje-o a reunir-se em células de sua própria denominação.

  • Pastores que vêm de fora, Missionários, Profetas etc.

Normalmente eles vão ao grupo e resistem à autoridade do líder, muitas vezes até tentando controlar o líder e ostentando posições.

Como lidar? O líder não deve se intimidar com o título de pastor, deve dizer que é bem-vindo, como ouvinte, e ter bem claro o seu papel de líder, na direção da reunião. Deve evitar também que eles monopolizem a reunião.

Não é permitido que pastores, missionários ou profetas de outras igrejas ministrem nas reuniões da célula.

  • O irmão muito falante

Normalmente não consegue falar um assunto coerente e conta longas histórias sem objetivo e muda de assunto o tempo todo.

Como lidar? O líder deve intervir e ajudar o irmão a responder às perguntas, mas se persistir deve dizer, por exemplo, que as respostas estão limitadas a 30 segundos por pessoa. O líder deve conversar em particular com o irmão e dizer-lhe “com amor e cuidado” para que seja mais sucinto, evitando assim gerar desinteresse por parte do grupo e até antipatia.

  • O crítico da Igreja

Esse tipo de pessoa pode fazer com que um espírito de divisão penetre no grupo e poderá se tornar um tropeço na vida da igreja.

Como lidar? Todos podem fazer críticas, mas deverá ser colocado de forma bem clara que o grupo não é o lugar ideal para essas críticas, e que ele deverá fazê-las pessoalmente. O líder deverá mostrar que as críticas em público devem ser evitadas, principalmente na célula.

  • Anfitriões que não correspondem

Um anfitrião que fica no quarto ou tenta manipular o grupo, ou ainda, que deixa um ambiente hostil à reunião da célula.

Como lidar? O líder deve admoestá-los em amor e mostrar-lhe o seu papel no grupo. Se os problemas continuarem, a solução é mudar o local da reunião.

  • Crianças indisciplinadas

Uma repreensão pública pode inibir os pais a levarem seus filhos na reunião, mas se o problema persistir pode sobrecarregar o anfitrião.

Como lidar? Se os pais forem novos, temos de agir com paciência, mas se forem maduros, a solução é uma conversa objetiva e clara em particular e, se necessário, a orientação pública sobre o problema.

  1. O Antagonista

Esse tipo de pessoa traz muitas dificuldades para o líder e, geralmente, tem algumas características que lhe são peculiares. Muda de célula várias vezes porque não se adapta a nenhuma delas. Sempre tem uma crítica aos líderes anteriores e gosta muito de usar a expressão “os outros estão dizendo que…” para encobrir sua própria opinião.

Como lidar? O líder deve sempre se antecipar ao antagonista, procurando agir tão logo qualquer situação conflitante surja. Deverá ser firme para que o grupo fique protegido, porém deverá ter habilidade para não rotular o antagonista. Quando necessário, deverá indicar a ele um local adequado para o tratamento.

COMO SER UM LÍDER BEM-SUCEDIDO

O sonho de todo líder é fazer um trabalho com sucesso. Seu desejo é que as pessoas continuem em sua célula, cresçam diante de Deus e dos homens e deem frutos. Também deseja que os parentes e amigos conheçam o Senhor Jesus e sejam fiéis durante toda a vida. Desejam multiplicar sua célula e trabalham arduamente para conseguir esse objetivo.

NÃO EXISTE SUCESSO SEM SUCESSOR

  1. COMO É POSSÍVEL REALIZAR ESSE SONHO? CUIDE DE SUA CÉLULA.

Vivendo uma vida de intimidade com Deus, priorizando o momento devocional, tendo tempo de oração e leitura da Palavra de Deus, orando pelos membros da sua célula diariamente, preparando e acompanhando os novos líderes, estabelecendo metas, sonhando com elas e se preparando para alcançá-las, estando submisso à autoridade de seus líderes e demonstrando um total comprometimento com a Igreja e com sua célula. Eis as nossas sugestões:

  • Buscar a presença e a intimidade com Deus;
    • Orar por sua célula;
    • Preparar adequadamente o estudo da lição;
    • Tratar bem os convidados;
    • Trabalhar apaixonadamente;
    • Buscar o seu crescimento e aperfeiçoamento em todo o tempo;
    • Aprender a olhar cada um dos membros como um líder.
  • COMO GERAR NOVOS LÍDERES? LEVANTE UM NOVO LÍDER.

Líder é a chave para a multiplicação das células. Jesus dedicou mais da metade de seu ministério para treinar seus discípulos. Destinou 51% do seu ministério para capacitar seus discípulos, e o resto, ou seja, 49% para atender ao público.

  1. Modelo da Bíblia

A Bíblia dá ênfase à seleção de discípulos que se tornarão líderes:

– Moisés foi tutor de Josué;

– Elias treinou Elizeu;

– Paulo desenvolveu Timóteo.

E você? Pode mencionar uma pessoa que capacitou para líder?

  • A base do modelo de igreja em células é o líder

O crescimento de uma igreja em células está diretamente ligado ao número de líderes que capacita. Não se deve cometer o erro de focalizar o número de células, mas o enfoque deve ser no número de líderes. O crescimento de uma igreja em células consiste no resultado de sua eficiência em manter novos líderes, assim, as igrejas em células bem-sucedidas são as que ganham virtude treinando todos os santos para a obra do ministério.

– Todo membro deve ser visto como um futuro líder.

  • Princípios Fundamentais para se obter Novos Líderes

– Tome a decisão de ser um gerador de novos líderes.

– Proponha-se a transformar cada membro de sua célula em um novo líder.

– Tenha como alvo acompanhá-lo bem de perto, tornando-se um discipulador de novos líderes.

  • O ALVO DA LIDERANÇA

Os que levam outros à grandeza buscam desenvolver e acertar. Os líderes são pioneiros, gente disposta a aventurar-se no desconhecido, a correr riscos, a ser inovador para encontrar novas e melhores formas de fazer as coisas. Você está disposto a aceitar o desafio? O que devemos buscar em um candidato à liderança? Eis alguns princípios para você ser um líder bem sucedido:

#Passo 01: Disponha-se a ser um gerador de novos líderes.

  • Comece com aqueles membros da célula que tenham as seguintes características:
  • Dependência de Deus;
  • Caráter piedoso;
  • Atitude de servo;
  • Disposição para trabalhar.
  • Se nenhum dos membros da sua célula tem essas características, você deve começar a promover isso neles.
  • Adote como sua principal tarefa desenvolver o seu líder em treinamento;
  • O líder pode levar convidados à célula, mas seu trabalho principal é identificar e treinar o próximo líder.

#Passo 02: Tenha como tarefa principal gerar novos líderes.

  • Formas de ver a célula
  • Os membros veem a célula com o ambiente adequado para alcançar outros para Cristo.
  • O líder vê a célula como o ambiente que favorece a formação de novos líderes.
  • Sonhe em liderar uma célula saudável, que cresce e se multiplica, assim você terá novos líderes. Ter um sonho ajuda na realização. A gente alcança aquilo que primeiramente sonha. Ter um sonho ajuda a manter o foco e a canalizar energia. Sem alvos nós perdemos o foco.

#Passo 03: Permita que os membros de sua célula exerçam funções significativas.

Você pode permitir que seu líder em treinamento faça a oração inicial, dirija o louvor e, em algumas ocasiões, dê a lição da célula. Certifique-se de que seu líder em treinamento esteja recebendo o treinamento adequado. Acompanhe-o no CMC para que receba as ferramentas que o transformarão em um novo líder. Uma vez que seu líder em treinamento já esteja capacitado, incentive-o a assumir uma nova célula e inicie o processo com uma nova pessoa. Todo o processo de formação de um novo líder deve estar regado de oração. Ore diariamente por seus candidatos a líderes para ajudá-los a formar-se e a superar suas fragilidades.

#Passo 04: Certifique-se de que seu candidato está recebendo o curso de capacitação de líderes no CMC.

Na visão de uma igreja em células, a ideia é que a capacitação do líder comece já no momento de sua conversão. A atenção que se é dada imediatamente após a conversão deve estender-se até culminar com a formação do novo líder. Uma nova Ideia da Fé. Na organização da igreja, chegar a ser líder deve ser um fato natural para todos os crentes. Toda pessoa que se converte um dia chegará a ser líder de célula. Sendo assim:

  • A Capacitação continua. A capacitação de um líder é uma questão permanente. Não há princípio nem fim.
  • O CMC é apenas o começo.
  • Cada novo líder deve ter seu mentor com quem possa compartilhar suas dúvidas ou perguntas.
  • Treine mais candidatos a líder do que o necessário para multiplicar sua célula.
  • Não poupe tempo nem recurso na motivação dos futuros líderes.

#Passo 05: Ore diariamente pelos seus candidatos a líderes.

A oração é a tarefa mais importante de um líder. Os líderes eficazes reconhecem a oração como uma das prioridades mais importantes. A oração é uma ferramenta fascinante para a pessoa que deseja ministrar a outros.

  • Eis alguns itens importantes para você orar:
  • É da célula que surge o novo líder. “E perseveravam na doutrina dos após­tolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.” At 2:42
  • Ore diariamente pelos membros do grupo.
  • Ore por seu auxiliar.
  • Ore pelas células futuras que serão geradas a partir de seu grupo atual.

A CÉLULA SAUDÁVEL CRESCE E MULTIPLICA.