O Quebrantamento e o Caráter de Cristo

O Quebrantamento e o Caráter de Cristo

 

Um dos mais lindos traços do caráter que um cristão possa manifestar como resultado do trabalho do Espírito Santo em sua vida é o quebrantamento.  Vejamos como Deus produz isso em nós.

 

Qualquer pessoa que serve a Deus descobrirá, mais cedo ou mais tarde, que o grande impedimento para a obra não são outras pessoas mas, sim, ela mesma. Descobrirá que sua alma e seu espírito não estão em harmonia, pois os dois tendem para direções opostas. Sentirá, também, a incapacidade de sua alma submeter-se ao controle do espírito, tornando-o, assim, incapaz de obedecer aos mandamentos mais sublimes de Deus. Perceberá rapidamente que a maior dificuldade acha-se na sua alma, pois esta o impede de fazer uso do seu espírito.

 

Muitos dos servos de Deus nem sequer conseguem fazer as obras mais elementares. Gostariam de ser capacitados pelo exercício do seu espírito a conhecer a Palavra de Deus, a discernir a condição espiritual de outra pessoa, entregar as mensagens de Deus com unção e receber as revelações de Deus. Mesmo assim, devido às distrações da alma parece que seu espírito não funciona apropriadamente. É basicamente porque a alma nunca foi tratada. Por esta razão, o reavivamento, o zelo, o muito implorar e o ativismo não passam de um desperdício de tempo. Conforme veremos, há apenas um só tratamento que pode capacitar o homem a ser útil diante de Deus: o quebrantamento.

 

O HOMEM INTERIOR E O HOMEM EXTERIOR

 

Note como a Bíblia divide o homem em duas partes: “Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus” (Romanos 7.22). Nosso homem interior deleita-se na lei de Deus.  “…que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior” (Efésios 3.16). E Paulo também nos informa: “Mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo o nosso homem interior se renova de dia em dia” (II Coríntios 4.16).

 

Quando Deus vem habitar em nós mediante o Seu Espírito, a Sua Vida e o Seu poder entram em nosso espírito, aquilo que estamos chamando de “homem interior”. Fora deste homem interior há a alma, na qual funcionam nossos pensamentos nossas emoções e nossa vontade. Além disso, há nosso corpo físico. Nunca devemos nos esquecer de que nosso homem interior é o espírito humano onde Deus habita, onde Seu Espírito se combina com nosso espírito. Assim como nós vestimos roupas, assim também nosso homem interior, nosso espírito “veste” uma alma. E, de modo semelhante, o espírito e a alma “vestem” o corpo. Geralmente as pessoas estão mais conscientes da alma e do corpo, mas dificilmente reconhecem ou entendem seu espírito.

 

Devemos saber que as pessoas qualificadas para o trabalho de Deus, são aquelas cujo espírito pode ser liberado. A dificuldade básica de um servo de Deus acha-se no fracasso do homem interior de irromper pela alma. Logo, devemos reconhecer diante de Deus que a primeira dificuldade que enfrentamos na obra não está nos outros mas, sim em nós mesmos. Nosso espírito parece estar embrulhado numa casca dura de modo que não pode facilmente fluir de lá. Se nunca aprendemos como liberar nosso espírito por meio da  alma, não teremos capacidade de servir a Deus eficazmente. Nada pode atrapalhar-nos tanto quanto esta alma. Se nossas obras são frutíferas ou não, depende de se nossa alma foi quebrantada pelo Senhor de modo que o homem interior possa se manifestar. Este é o problema básico. O Senhor deseja quebrar nossa alma a fim de que o homem interior possa ter uma via de saída. Quando o nosso espírito for liberado, tanto os descrentes quanto os cristãos serão abençoados pela Vida e pelo Poder de Deus que de lá vão emanar.

 

O TEMPO DO NOSSO QUEBRANTAMENTO

 

O Senhor normalmente trabalha conosco durante vários anos antes de poder realizar esta obra de quebrantamento. A cronologia está na mão Dele. Não podemos encurtar o tempo, embora certamente o possamos prolongar. Em algumas vidas, o Senhor pode realizar esta obra depois de uns poucos anos de trato; noutras, é evidente que depois de dez ou vinte anos a obra ainda está incompleta. Isto é muito sério! Nada é mais lastimável do que desperdiçar o tempo de Deus. Quão freqüentemente a igreja é atrapalhada! Podemos pregar com o uso da nossa mente, podemos comover os outros com o uso das nossas emoções; mas se não sabemos usar nosso espírito, o Espírito de Deus não poderá tocar as pessoas através de nós. A perda será grande, se prolongarmos desnecessariamente o tempo.

 

Logo, se nunca antes nos consagramos de modo total e inteligente ao Senhor, façamo-lo agora, dizendo: “Senhor, para o futuro da igreja, para o evangelho, para o Teu caminho, e também para minha própria vida, ofereço-me sem condições, sem reservas, nas Tuas mãos. Senhor, deleito-me em oferecer-me a Ti e estou disposto a deixar-Te fazer toda a Tua vontade através de mim.”

 

O SIGNIFICADO DA CRUZ

 

Ouvimos falar freqüentemente acerca da cruz. Talvez estejamos por demais familiarizados com o termo. Mas, o que é a cruz, afinal de contas? Quando realmente compreendermos a cruz, veremos o que significa o quebrantamento da alma. A cruz reduz a alma à morte; racha a casca humana e a abre. A cruz deve quebrar tudo quanto pertence à nossa alma – nossas opiniões, nossos modos, nossa habilidade, nosso amor-próprio, nosso tudo. O caminho está claro, claro mesmo como o cristal.

 

Tão logo que a casca de nossa alma é destruída, nosso espírito pode sair facilmente para fora. Considere certo irmão, como exemplo. Todos quantos o conhecem reconhecem que tem uma mente aguçada, uma vontade dinâmica, e profundas emoções. Mas, ao invés de ficarem impressionadas por estas características naturais da sua alma, reconhecem que se encontraram com seu espírito. Sempre que as pessoas estão tendo comunhão com ele, encontram um espírito livre. Por quê? Porque tudo quanto é da sua alma foi quebrado.

 

Não devemos apegar-nos às fracas características da nossa alma, ainda emitindo a mesma fragrância, mesmo depois de que o Senhor lidar conosco durante cinco ou dez anos. Não! Devemos deixar o Senhor forjar um caminho em nossas vidas.

 

O QUE IMPEDE O QUEBRANTAMENTO

 

Por que é que, depois de muitos anos de trato, algumas pessoas permanecem inalteradas? Alguns indivíduos têm uma vontade forte; alguns têm emoções fortes; e outros têm uma mente forte. Visto que o Senhor pode quebrantá-los, por que depois de tanto tempo ainda não se pode ver nenhuma expressão do caráter de Cristo? Há duas razões principais.

 

 

  1. A primeira é que muitos que vivem nas trevas não estão vendo a mão de Deus. Enquanto Deus está operando, enquanto Deus está destruindo, não reconhecem que é da parte Dele. Estão destituídos de luz, e, somente vêem homens que se opõem a eles. Imaginam sempre que as circunstâncias estão erradas e que as pessoas que as rodeiam são os culpados por tudo. Assim, continuam nas trevas e no desespero. Sempre trazem tudo para o nível pessoal.

 

Que Deus nos dê uma revelação para ver que Ele está em todos os nossos caminhos. Pelo menos, devemos reconhecer de quem é a mão que trata conosco. Não é mão humana, nem a mão da nossa família, nem a dos irmãos e irmãs na igreja, mas, sim, a de Deus. Precisamos aprender como nos ajoelhar e beijar a mão, amar a mão que lida conosco, assim como fazia Madame Guyon. Precisamos ter esta luz para vermos, seja o que for que o Senhor fez, aceitarmos e crermos; o Senhor nada pode fazer de errado. Mais do que suportar a cruz, precisamos aprender a amar a cruz. É nas circunstâncias difíceis e que mais incomodam que Deus está revelando Seu braço de amor, cuidado e tratamentos conosco. Aquela pessoa que mais te incomoda é exatamente quem mais o Senhor está usando para te aperfeiçoar.

 

 

  1. A segunda razão, outro grande impedimento à obra de quebrar a alma é o amor-próprio. Devemos pedir que Deus remova o coração do amor-próprio. À medida que Ele lida conosco em resposta à nossa oração, devemos adorar e dizer: “Ó, Senhor, se isto for da Tua mão, que eu o aceite do meu coração”. Lembremo-nos de que a única razão para todo mal entendido, toda a irritação, todo o descontentamento, é que secretamente amamos a nós mesmos. Assim, planejamos um modo mediante o qual podemos livrar a nós mesmos. Muitas vezes, os problemas surgem porque procuramos uma via de escape – uma fuga da operação da cruz.

 

O amor-próprio é uma dificuldade básica. Que o Senhor nos fale hoje de tal maneira que possamos orar: “Eu, Deus, vi que todas as coisas vêm de Ti. Todos os meus caminhos estes cinco anos, dez anos, ou vinte anos, são teus. Operaste de tal maneira que atingiste teu propósito, que não é outro senão que tua vida seja vivida através de mim. Mas eu fui tolo. Não vi. Fiz muitas coisas para escapar, e assim adiei o teu tempo. Hoje, vejo tua mão. Estou disposto a me oferecer a ti. Mais uma vez coloco-me nas tuas mãos“.

 

 

  • AS FERIDAS PRODUZIRÃO A BELEZA DE CRISTO EM NÓS

 

Ninguém é mais belo do que alguém que está quebrantado! A teimosia e o amor-próprio cedem lugar à beleza na pessoa que foi quebrantada por Deus. Vemos Jacó no Antigo Testamento, como mesmo no ventre da sua mãe, lutava com seu irmão. Era sutil, enganoso, traiçoeiro. Por isso, sua vida estava cheia de tristezas e mágoas. Ainda jovem, fugiu do seu lar. Durante vinte anos foi logrado por Labão. A esposa do amor de seu coração, Raquel, morreu prematuramente. O filho do seu amor, José, foi vendido. Anos mais tarde, Benjamin foi preso no Egito. Deus tratou com ele sucessivamente, e Jacó encontrou infortúnio após infortúnio. Deus o feriu uma vez, duas vezes; na realidade, sua história foi a história de ser ferido por Deus.

 

Finalmente, depois de muitos tratamentos deste tipo, o homem Jacó foi transformado. Durante seus últimos poucos anos, era bem transparente. Quão nobre era sua resposta a Faraó! Quão belo foi seu fim, quando adorou a Deus, apoiado no seu bordão! Quão claras eram suas bênçãos pronunciadas sobre seus descendentes! Depois de ler a última página da sua história, queremos curvar a cabeça e adorar a Deus. Aqui temos alguém que está amadurecido, que conhece a Deus. Várias décadas de tratos tiveram como resultado que o alma de Jacó foi quebrantada. Na sua velhice, o quadro é belo.

 

Cada um de nós tem boa parte da mesma natureza de Jacó em nós. Nossa única esperança é que o Senhor  quebre a nossa alma de tal maneira que o homem interior possa surgir e ser visto. Isto é precioso, e é o caminho daqueles que servem ao Senhor. Somente assim podemos servir; somente assim podemos levar os homens a Cristo. Tudo o mais está limitado quanto ao seu valor.

Ao invés de serem úteis, as faculdades da alma tornam-se um obstáculo

para o homem interior.

 

Qual a utilidade do mero conhecimento teórico da Bíblia se a nossa alma ainda permanecer sem quebrantamento? Somente a pessoa através de quem Deus pode aparecer, é útil.

 

Depois de nossa alma ter sido ferida, tratada, e levada por várias provas, temos feridas em nós e assim deixamos o espírito emergir. Que Deus tenha misericórdia de nós, mostrando-nos claramente este caminho, e revelando-nos que é o único caminho. Que Ele também nos mostre que nisto é visto o propósito de todos os Seus tratos durante estes poucos anos, sejam dez ou vinte. Que ninguém menospreze os tratos do Senhor. Que Ele nos revele verdadeiramente o que significa o quebrantamento da alma. Se a alma permanecesse integral, tudo estaria meramente em nossa mente, totalmente inútil. Tenhamos esperança de que o Senhor venha a tratar de nós de modo completo.

 

 

  1. O QUEBRANTAMENTO AFETA O SERVIÇO NA OBRA

 

Passemos agora a considerar como o quebrantamento da alma afetará nosso modo de ler a Bíblia, nosso modo de ser ministros da Sua Palavra, e nossa pregação do Evangelho.

           

  1. Leitura da Bíblia: O que somos, determina o proveito que tiramos da Bíblia. Quão freqüentemente o homem, na sua soberba, depende da sua mente não-renovada e confusa para ler a Bíblia. O fruto é nada vezes nada, senão seu próprio pensamento fervilhante, confuso e carnal. Não toca o espírito das Sagradas Escrituras. Se esperamos encontrar o Senhor na Sua Palavra, nossos pensamentos devem primeiramente ser quebrantados por Deus. Talvez tenhamos alto conceito da nossa habilidade, mas para Deus é um grande obstáculo. Nunca pode levar-nos para o pensamento de Deus.

 

Há, pelo menos, duas exigências básicas para ler a Bíblia: primeiramente, nosso pensamento deve entrar no pensamento da Bíblia; e, em segundo lugar, nosso espírito deve entrar no espírito da Bíblia.  Isto permitirá que o Espírito lhe dê o significado exato das Escrituras.

 

Pense numa pessoa que vem à Bíblia com sua mente já fixa. Lê a Bíblia para obter apoio para suas doutrinas pré-concebidas. Que tragédia! Uma pessoa experiente, depois de escutar alguém assim falar durante cinco ou dez minutos, pode discernir se quem fala está usando a Bíblia para suas próprias finalidades, ou se seu pensamento entrou no pensamento da Bíblia.  Uma pessoa pode levantar-se e dar uma mensagem agradável que parece ser bíblica, mas, na realidade, seu pensamento é contraditório ao pensamento da Bíblia. Ou podemos escutar alguém pregar, cujo pensamento expressa o pensamento da Bíblia e, portanto, é harmonioso e unido com ela. Embora esta condição deva ser a normal, nem todos chegam a ela. Para unir nosso pensamento com o pensamento da Bíblia, é necessário que nossa alma seja quebrantada. Não pense que nossa leitura bíblica é fraca por causa de falta de instrução. O defeito está muito mais em nós, porque nossos pensamentos não foram subjugados por Deus.

 

Ora, embora isto seja importante, ainda nos falta mencionar o assunto primário. A Bíblia é mais do que palavras, idéias e pensamentos.  O aspecto mais destacado da Bíblia é que o Espírito de Deus é liberado através deste Livro. Não há somente pensamentos na Bíblia; o próprio Espírito se manifesta através dela. Assim, é somente quando seu espírito pode sair e tocar o espírito da Bíblia, que você pode entender o que a Bíblia está dizendo.  O Espírito que inspira a composição das Escrituras é o Espírito eterno, sempre presente na Bíblia. Se nossa alma foi quebrantada, nosso espírito é liberado e pode tocar aquele Espírito que inspira as Escrituras. De outra forma, a Bíblia permanecerá como um livro morto em nossas mãos.

 

  1. O Ministério da Palavra: Deus deseja que entendamos a Sua Palavra, pois este é o ponto de partida do serviço espiritual. O Senhor deseja que Sua Palavra flua como mensagem dinâmica e viva em nosso espírito de modo que possamos usá-la para ministrar à igreja. Em Atos 6.4, lemos: ” E, quanto a nós nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra.” Ministério significa servir as pessoas com a Palavra de Deus.

 

No ministério, qual é a dificuldade que nos leva a deixar de liberar a Palavra dentro de nós? Freqüentemente, alguém pode sentir-se muito preocupado com uma palavra que, segundo sente, deve comunicar aos irmãos. Mesmo assim, enquanto se levanta para falar frase após frase, a preocupação interna permanece tão pesada como sempre. Mesmo depois de passar uma hora, não há senso de alívio, e, finalmente, sai carregando o mesmo fardo de uma mensagem que não foi entregue. Por quê? É porque sua alma não foi quebrantada. Ao invés de serem úteis, as faculdades da alma tornam-se um obstáculo para o homem interior.

 

Uma vez, porém, que a alma for quebrantada, a expressão já não é problema. Então, a pessoa pode pensar em palavras apropriadas para expressar seu sentimento no íntimo. Através da liberação, o fardo interno é aliviado. Esta é a maneira de ministrar a Palavra de Deus à igreja. Repetimos, então: a alma é o maior empecilho ao ministério da Palavra de Deus.

 

Muitos têm a noção errônea de que são as pessoas habilidosas que melhor podem ser usadas. Como isto é errado! Não importa quão habilidoso você seja, o exterior nunca poderá substituir o homem interior. Somente depois de a alma ter sido quebrantada é que o interior pode achar pensamento adequado e palavras apropriadas. A casca da alma deve ser esmagada por Deus. Quanto mais é despedaçada, tanto mais a vida no espírito é liberada. Enquanto esta casca permanecer intacta, a mensagem que pesa no espírito não pode ser liberada, nem a vida e o poder de Deus podem fluir de você para a Igreja. É principalmente através do Ministério da Palavra de Deus que sua vida e seu poder são fornecidos. A não ser que você tenha seu homem interior liberado, as pessoas podem ouvir sua voz, mas não podem tocar a vida. Você pode ter uma palavra para dar, mas outras pessoas deixam de recebê-la; você não tem meios de expressão.

 

A dificuldade é que a vida que há dentro deixa de fluir. Há uma Palavra de Deus atuante por dentro, mas não pode ser manifestada por causa do obstáculo do lado de fora. Deus não tem um livre caminho através de você.

           

  1. Pregação do Evangelho: Há um conceito geral, falso, de que as pessoas crêem no evangelho porque, ou foram mentalmente convictas da exatidão doutrinária, ou emocionalmente comovidas pelo seu apelo. Na realidade, os que vão ao evangelho por qualquer destas duas razões não permanecem Nele. O intelecto e a emoção precisam ser alcançados, mas estes sozinhos são insuficientes. A mente pode encontrar-se com a mente, e a emoção pode alcançar a emoção, mas a salvação acontece numa região mais profunda. O espírito deve tocar o espírito. Somente quando o espírito do pregador floresce e brilha é que os pecadores caem e se rendem a Deus. Este é o espírito apropriado e necessário para a pregação do evangelho.

 

Certo mineiro grandemente usado por Deus escreveu um livro chamado Seen and Heard (“Visto e Ouvido”), em que relata suas experiências ao pregar o evangelho. Fui profundamente comovido ao ler este livro. Embora fosse um irmão simples, sem alto grau de cultura nem com dons especiais, ofereceu-se inteiramente ao Senhor e foi poderosamente usado por Ele. Uma coisa o caracterizava: era um homem quebrantado; seu espírito era puro. Quando estava numa reunião, ouvindo um pregador, sentiu uma preocupação tão grande pelas almas que pediu ao pregador permissão para falar. Subiu ao púlpito, mas não vinham as palavras. Seu homem interior ardia tanto com uma paixão pelas almas que suas lágrimas jorravam. Finalmente, conseguiu pronunciar apenas umas poucas sentenças pouco compreensíveis. Mesmo assim, o Espírito Santo encheu aquele lugar de reunião; as pessoas ficaram convictas dos seus pecados e da sua condição de perdidas. Aqui havia um jovem que era quebrantado – tinha poucas palavras, mas quando seu espírito fluía, as pessoas eram poderosamente tocadas. Ao ler sua autobiografia, reconhecemos que ele era alguém cujo espírito fluía, as pessoas eram poderosamente tocadas. Era um instrumento para salvar muitos durante sua vida.

 

Este é o modo certo de pregar o evangelho. Sempre que você vê alguém que não é salvo, sente que deve dar-lhe o evangelho. Você deve permitir que seu espírito seja liberado. Pregar o evangelho é puramente uma questão de ter a alma quebrantada de modo que o homem interior possa fluir e tocar outros. Quando seu espírito toca o espírito de outra pessoa, o Espírito de Deus vivifica aquele espírito que está em trevas de modo que aquela pessoa é maravilhosamente salva. Se, porém, seu espírito estiver amarrado pela alma, Deus não tem via de saída através de você e o Evangelho fica bloqueado. É por isso que focalizamos tanta atenção em lidar com a alma. Se nos falta este tratamento, não temos poder para ganhar almas, embora tenhamos todas as doutrinas de cor. A salvação vem quando nosso espírito toca o espírito de outra pessoa. Então, aquela alma não pode deixar de prostrar-se aos pés de Deus. Oh amados, quando nosso espírito for verdadeiramente liberado, as almas certamente serão salvas.

 

Uma vez que as pessoas são salvas, Deus não quer que elas esperem para lidar com seus pecados, que esperem mais anos para se consagrarem, e que esperem ainda mais tempo para responderem à chamada de realmente seguirem ao Senhor. Tão logo que as pessoas crêem, devem imediatamente voltarem-se dos seus pecados, consagrarem-se totalmente ao Senhor, e romperem o poder das coisas deste mundo. Sua história deve ser como aquelas que são registradas nos Evangelhos e em Atos. Para o evangelho ter seu efeito mais completo no homem, o Senhor precisa ter um caminho nas vidas dos mensageiros do Evangelho. Que Deus tenha uma via de saída através de nós.

 

 

  1. QUALIDADES PRODUZIDAS NO QUEBRANTAMENTO

 

 

  1. Meiguice

 

Uma pessoa quebrantada pelo Espírito naturalmente possui a meiguice. Seus contatos com as pessoas já não são marcados por aquela teimosia, dureza e aspereza que são as marcas registradas de um homem não quebrantado. Já foi trazido ao ponto em que sua atitude é tão meiga quanto sua voz é mansa. O temor a Deus no seu coração naturalmente acha expressão nas suas palavras e nas suas maneiras.

 

  1. Abordabilidade

 

Há várias qualidades que caracterizam uma pessoa que é meiga: ela é abordável – é tão fácil ter contato com ela, falar com ela, e fazer perguntas a ela. Confessa prontamente os seus pecados e derrama lágrimas livremente. Para alguns, é tão difícil derramar lágrimas. Não é que haja qualquer valor especial nas lágrimas, mas naquele cujo pensamento, vontade e emoção foram tratados por Deus, as lágrimas freqüentemente denotam sua disposição para ver e reconhecer sua falta. É fácil conversar com ele, porque sua casca exterior foi quebrada. Aberto às opiniões dos outros, dá as boas-vindas às instruções, e, nesta posição nova, pode ser edificado em todas as coisas.

 

  1. Sensibilidade alta

 

O mínimo movimento no espírito de outra pessoa não passa despercebido por ele. Imediatamente ele pode perceber o verdadeiro significado de uma situação – seja ela certa ou errada. Suas ações são bem-consideradas, não será complacente com o erro nem magoará os sentimentos dos outros com falta de consideração.

 

Freqüentemente persistimos em fazer coisas que, no espírito de outras pessoas já foram condenadas.  Outros sentem este fato, mas nós, não. Considere como isto pode ocorrer nas reuniões de oração, quando os irmãos podem sentir repugnância das nossas orações. Mesmo assim, não cessamos de ser monótonos. Os espíritos dos demais irmãos clamam: “Pare de orar”, mas permanecemos insensíveis. Não há correspondências aos sentimentos dos outros. Não é assim com aquele cuja alma foi quebrantada.  O Espírito operou uma profunda sensibilidade nele e agora pode ser tocado também pelo espírito de outros. Tal pessoa não ficará embotada diante das reações dos outros.

 

 

 

  1. Prontidão para uma vida em conjunto

 

Somente estes quebrantados sabem o que é o corpo de Cristo. Sem a meiguice, dificilmente estariam prontos para participar da vida no corpo. Começam a tocar o espírito dos outros membros. Se alguém não tem este senso do Corpo, é como um membro falso do corpo, igual a uma mão artificial de Cristo, que pode movimentar-se com o corpo físico, mas que não tem nenhuma sensação. O corpo inteiro sentiu este fato, menos ele. Nem pode receber com meiguice a instrução ou a correção. Um quebrantado, no entanto, pode tocar a consciência da igreja e perceber o seu sentimento, pois seu espírito está aberto ao espírito da igreja para receber dela qualquer comunicação. Quão preciosa é esta sensibilidade! Sempre que fazemos qualquer coisa errada, imediatamente a sentimos.  Os irmãos sabem que você está errado, mas mesmo antes de abrirem a boca você é trazido de volta ao  bom-senso pelo mero contato com eles. Você tocou o espírito deles, e isto lhe indica se o aprovam ou o desaprovam.

 

 

  1. Facilidade de edificação

 

A maior vantagem do quebrantamento, no entanto, não está em ter nosso erro corrigido, mas, sim, em capacitar-nos a receber o suprimento do Corpo. Nosso espírito é liberado e aberto para receber a ajuda espiritual de qualquer parte do corpo. Quem não for quebrantado dificilmente, poderá ser ajudado. Suponhamos, por exemplo, um irmão muito inteligente, porém não quebrantado. Pode vir às reuniões, mas não é tocado. A não ser que encontre alguém cuja mente é mais aguçada do que a dele, não será ajudado. Analisará os pensamentos do pregador e os rejeitará como sendo superficiais e inúteis. Meses e anos podem passar dessa forma sem ele ser tocado. Está fechado pela parede da sua mente e somente poderá ser ajudado através da mente. Nesta condição, não pode receber a edificação espiritual. Se, porém, o Senhor entrasse e despedaçasse esta parede, mostrando-lhe a futilidade dos seus próprios pensamentos, ele ficaria atento como uma criança àquilo que os outros dizem. Já não desprezaria pessoas que parecem estar abaixo das suas habilidades ou capacidades.

 

Ao escutar uma mensagem, fará uso do seu espírito para entrar em contato com o espírito do pregador, ao invés de focalizar sua atenção na pronúncia das palavras ou na apresentação da doutrina. Quando o espírito do pregador é liberado com uma palavra específica da parte do Senhor, o espírito deste ouvinte é refrigerado e edificado. Se o espírito de alguém estiver livre e aberto, recebe ajuda sempre que o espírito do seu irmão flui. Lembre-se, porém, que esta não é a mesma coisa que ser ajudado na doutrina.

 

Quanto mais o espírito de um homem tem sido tratado por Deus, tanto mais ajuda pode receber. Agora, devemos compreender claramente o que significa ser edificado. Não pode significar pensamentos expandidos, nem compreensão melhorada, nem maior acúmulo doutrinário. Simplesmente significa que meu espírito mais uma vez entrou em contato com o Espírito de Deus. Não importa através do que o Espírito de Deus Se movimenta, seja na reunião, seja na comunhão individual; não sou menos nutrido e vivificado. Meu espírito é bem como um espelho, que é polido cada vez.

 

Expliquemos o assunto assim: tudo quanto procede do espírito abrilhanta tudo quanto toca. Como indivíduos, somos muito semelhantes a lâmpadas – lâmpadas de cores diferentes. A cor, porém, não interfere com a passagem da eletricidade através dela. Tão logo a eletricidade flui para dentro dela, ela se acende. Assim acontece com nosso espírito; onde há o fluir do Seu Espírito, esqueceremos a teologia que aprendemos. Tudo quanto sabemos é que o Espírito veio. Ao invés do mero conhecimento, temos uma “luz interior.” Estamos revivificados e nutridos na Sua presença.

 

Anteriormente, nossa intelectualidade era um obstáculo, mas agora podemos ser facilmente ajudados. Agora compreendemos por que é difícil para outros receberem ajuda. Entendemos que é necessário passar muito tempo em oração antes de podermos tocá-los no espírito. Não há outra maneira de ajudar uma pessoa obstinada.

 

 

Autor: Pr Andre LDA

Bacharel em Teologia pela Faculdade Evangélica do Brasil - ISBL, estudou também na Faculdade Teológica Sul Americana, convalidando o curso na Unicesumar. Especialista em docência no ensino superior pela Unicesumar e Liderança, Plantação e Revitalização de Igrejas pelo Seminário Teológico Asbury. Atualmente é graduando em licenciatura em história pela Unicesumar. Tenho uma grande e honrosa missão, Ganhar, Cuidar e Encorajar as pessoas a terem um relacionamento com Jesus, é nisso que gasto minha vida, eu e toda minha família estamos envolvidos nesta nobre tarefa. Soli Deo Gloria

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: