O Espírito Santo e as células

O Espírito Santo e as células

Por Brian Kannel, pastor vantagem aos http://www.yorkalliance.org/ e autor do Siga-me

  • “Eu só não sei se eu poderia concentrar-se com as crianças no grupo.”
  • “Eu não faço bem interagindo com as crianças.”
  • “É difícil para mim, para ser honesto, quando há crianças na sala.”
  • “Eu não poderia convidar meus amigos para um grupo que tem filhos na mesma.”
  • “Honestamente, eu só não gosto de crianças.”

É provavelmente o cínico em mim, mas sempre que eu ouço razões como esta para que as pessoas não querem estar em um grupo de células com crianças (que eu ouvi muitas vezes depois de 15 anos de ministério de células intergeracional), eu sempre tenho a mesma resposta interna. Felizmente, eu costumo ter contenção suficiente para não verbalizá-la, mas eu acho que quase sempre. É assim: eu tomar sua sentença, qualquer que seja, e eu começar a substituir “crianças” ou “crianças” com algum outro grupo demográfico. Mães solteiras. Os mais velhos. , Homens de meia idade careca. Atletas. Pessoas gordas. Os magros. Canhoto jogadores de softball passo lento. Seja qual for o grupo de pessoas vem à mente no momento. E em algum momento nesse processo mental, um leve sorriso vem para o meu rosto. (Geralmente em torno do tempo eu consigo o quão difícil é para ser honesto quando não é canhoto jogadores do softball do passo lento na sala. Quem não pode se relacionar com isso ??) O sorriso vem como eu penso sobre como divertida ofensivos lo é fazer com que tais afirmações, que parecem tão lógico na época, sobre qualquer outro grupo de pessoas na igreja.

E, curiosamente, Jesus nunca disse uma vez “, Que os homens de meia idade entre careca vir a mim.” Em um nível bastante pessoal Estou muito feliz que estava implícito na mensagem do evangelho, mas isso não muda o fato de que Ele nunca realmente disse isso. Mas, é claro, Ele disse isso sobre os filhos. (Mateus 19:14)

Houve volumes escritos sobre o “como” das crianças dentro de grupos intergeracionais, e é um tema de vital importância. No entanto, no curto espaço que me resta, deixe-me abordar especificamente o “porquê:”

  1. Crianças nos ensinar a orar. Nada é mais desarmamento e em movimento do que a oração de uma criança. Jesus nos chamou a ter fé como crianças, e pray miúdo audição é um grande caminho para o desenvolvimento que a fé.
  2. Crianças são honestos. Eles não aprenderam a colocar sobre a “máscara” de comportamento adequado, de modo que você vê é o que você recebe. Um grande modelo para o resto de nós “pessoas adequadas” no grupo.
  3. As crianças expressam o amor puro. Uma das nossas necessidades mais profundas é ser amado, e ninguém expressa o profundo amor de Deus por nós como sincera e extravagante como crianças.
  4. As crianças são evangelística. Quando uma criança experimenta algo grande, é em sua natureza para contar toda a gente sobre isso. Então, quando eles realmente experimentar Jesus, você pode apostar que o bairro inteiro vai descobrir mais sobre ele!

E talvez o mais importante, o Espírito Santo não vem em um tamanho “junior”! Eu amo ter crianças no nosso grupo, pois quando aceitam Jesus como seu Salvador, que recebem uma porção de tamanho completo do Espírito Santo em seus corpos pequenos! Eu não posso nem contar as vezes que eu ouvi diretamente de Jesus através da boca de uma criança. Deus pode e falar de maneira profunda através das crianças, se nós vamos ter o tempo para ouvir.

By the way, o mesmo pode ser verdade para jogadores de softball passo lento canhotos. Mas eu não sei, eu nunca poderia ser honesto com um deles no quarto.

Original


There’s No Junior Holy Spiritjoelcomiskeygroup.com Blog

By Brian Kannel, lead pastor at http://www.yorkalliance.org/ and author of Follow Me 

I just don’t know if I could concentrate with children in the group.”

“I don’t do well interacting with kids.”

“It’s hard for me to be honest when there are kids in the room.”

“I couldn’t invite my friends to a group that has children in it.”

“Honestly, I just don’t like kids.”

It’s probably the cynic in me, but whenever I hear reasons like this for why people don’t want to be in a cell group with children (which I’ve heard lots of times after 15 years of intergenerational cell ministry), I always have the same internal response. Thankfully, I usually have enough restraint not to verbalize it, but I almost always think it. It goes like this: I take their sentence, whatever it is, and I begin to replace “kids” or “children” with some other demographic group. Single moms. Older folks. Bald-headed, middle aged men. Athletes. Fat people. Skinny people. Left-handed slow pitch softball players. Whatever group of people comes to mind in the moment. And at some point in that mental process, a faint smile comes to my face. (Usually around the time I get to how hard it is to be honest when there are left-handed slow pitch softball players in the room. Who can’t relate to that??) The smile comes as I think about how hilariously offensive it is to make such statements, which seem so logical at the time, about any other group of people in the church.

And interestingly, Jesus never once said “Let the bald-headed, middle aged men come to me.” On a quite personal level I’m quite glad it was implied in the gospel message, but it doesn’t change the fact that He never actually said it. But, of course, He did say it about the children. (Matthew 19:14)

There have been volumes written on the “how” of children within intergenerational groups, and it’s a vitally important topic. However, in the brief space I have left, let me specifically address the “why:”

  1. Children teach us to pray. Nothing is more disarming and moving than the prayer of a child. Jesus called us to have faith like children, and hearing kid’s pray is a great path to developing that faith.
  2. Children are honest. They haven’t learned to put on the “mask” of appropriate behavior, so what you see is what you get. A great model for the rest of us “appropriate folks” in the group.
  3. Children express pure love. One of our deepest needs is to be loved, and no one expresses the deep love of God for us as sincerely and extravagantly as children.
  4. Children are evangelistic. When a child experiences something great, it’s in their nature to tell everyone else about it. So, when they truly experience Jesus, you can bet the whole neighborhood is going to find out about it!

And maybe most importantly, the Holy Spirit doesn’t come in a “junior” size! I love having kids in our group because when they accept Jesus as their Savior, they get a full-size portion of the Holy Spirit in their little bodies! I can’t even number the times that I’ve heard directly from Jesus through the mouth of a child. God can and does speak in profound ways through children—if we’ll take the time to listen.

By the way, the same might be true for left-handed slow pitch softball players. But I wouldn’t know—I could never be honest with one of them in the room.

Autor: Pr Andre LDA

Bacharel em Teologia pela Faculdade Evangélica do Brasil - ISBL, estudou também na Faculdade Teológica Sul Americana, convalidando o curso na Unicesumar. Especialista em docência no ensino superior pela Unicesumar e Liderança, Plantação e Revitalização de Igrejas pelo Seminário Teológico Asbury. Atualmente é graduando em licenciatura em história pela Unicesumar. Tenho uma grande e honrosa missão, Ganhar, Cuidar e Encorajar as pessoas a terem um relacionamento com Jesus, é nisso que gasto minha vida, eu e toda minha família estamos envolvidos nesta nobre tarefa. Soli Deo Gloria

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: