Culturalmente Relevante ou Simplesmente Relevante

Culturalmente Relevante ou Simplesmente Relevante

Por Bill Mellinger, Primeira Igreja Batista de Crestline

No ano de 250 uma praga se espalhou da Etiópia para o Norte da África, depois para a Itália e o mundo ocidental. Ficou conhecida como Praga de Cipriano por causa do bispo de Cartago, Cipriano, que orientou os cristãos a cuidarem dos pagãos doentes. Ele os liderou a enterrarem os mortos e cuidarem das pessoas que ficaram nas ruas para morrer. Embora ele tenha sido exilado porque os cristãos foram acusados pela praga, as ações de Cipriano deram início a uma nova era de cuidados da igreja com o mundo pagão. Os cristãos mudaram um mundo pagão hostil através do seu amor pelos outros; arriscando suas próprias vidas e não se importando se as pessoas que estavam ajudando eram incrédulas. Eles nos mostraram como podemos influenciar a nossa cultura, mesmo quando ela se opõe a nossa mensagem, pela maneira como amamos os necessitados em nossa sociedade.

Nós devemos nos misturar em nossa cultura ou Jesus demonstra uma maneira diferente? Jesus não foi sempre contracultural?

Com quase todas as experiências de aprendizagem, Jesus deixa o mundo de cabeça para baixo. Quando Jesus desafiou os discípulos a andarem a segunda milha com o soldado que tinha autoridade para exigir que eles caminhassem uma milha, ele estava pedindo-lhes para irem contra a cultura. Jesus nos chama para sermos diferentes do mundo (Ver Lucas 6:27-31). O mundo te diz para destruir seu inimigo; Jesus nos diz para amarmos o nosso inimigo. O mundo diz: “Coma, beba e seja feliz”. Jesus nos convida a sermos grandes ao servir a todos. O mundo diz: “É do meu jeito ou caia fora”. Jesus diz: “Negue a si mesmo e tome a sua cruz”.

Jesus ensina consistentemente os discípulos a viverem de uma forma que é muitas vezes contrária à cultura moderna. Jesus nos convidou para fazermos parte de Seu corpo, uma nova comunidade. Ele nos dá a verdade que vai libertar as pessoas. Ele dá o exemplo de como amar os outros, mesmo quando eles estão perseguindo você. Através do poder do Espírito Santo, Ele nos capacita a servir os pobres, os machucados, o prisioneiro e o arrogante. Nós aprendemos a fazer isso em comunidade com outras pessoas que estão tentando se tornarem mais semelhantes a Cristo. Conforme nós amamos e servimos uns aos outros, nós modelamos uma diferença radical de nossa cultura.

Como a igreja primitiva que cuidava dos doentes e moribundos nas ruas, o nosso cuidado pode inspirar outros a virem a Cristo. A cultura pode se opor a Cristo de muitas maneiras, mas uma maneira poderosa para alcançar a cultura é viver o “uns aos outros” de uma forma que não pode ser ignorada. Em uma cultura individualista, o “uns aos outros” se destaca à medida que os cristãos amam uns aos outros, servem uns aos outros, perdoam uns aos outros e transportam as cargas uns dos outros. O exemplo vivo de Cristo atrai as pessoas para o Seu Corpo e para Ele. Talvez seja uma coisa boa viver contraculturalmente.

Imagine a diferença que uma comunidade solidária fez no ano 250 e pense na diferença que podemos fazer hoje, independentemente de como a nossa cultura é.

Autor: Pr Andre LDA

Bacharel em Teologia pela Faculdade Evangélica do Brasil - ISBL, estudou também na Faculdade Teológica Sul Americana, convalidando o curso na Unicesumar. Especialista em docência no ensino superior pela Unicesumar e Liderança, Plantação e Revitalização de Igrejas pelo Seminário Teológico Asbury. Atualmente é graduando em licenciatura em história pela Unicesumar. Tenho uma grande e honrosa missão, Ganhar, Cuidar e Encorajar as pessoas a terem um relacionamento com Jesus, é nisso que gasto minha vida, eu e toda minha família estamos envolvidos nesta nobre tarefa. Soli Deo Gloria

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: